Entretenimento

O teste da cunhada: uma história de amor ou de fidelidade?

A história divertida de como um teste de fidelidade quase colocou tudo a perder

O teste da cunhada: um susto que virou risada
O teste da cunhada: um susto que virou risada

Tudo começou quando eu, um jovem e promissor homem, decidi que estava na hora de dar um passo importante na minha vida amorosa: me casar. Minha namorada, com quem eu estava há mais de um ano, parecia ser a escolha perfeita. Ela era linda, inteligente, amorosa, compreensiva e, acima de tudo, muito sincera.

Mas havia um problema: a irmã mais nova dela. Ah, essa irmãzinha… Como eu poderia descrevê-la? Bem, acho que a descrição original já disse tudo: 20 aninhos, mini-saias, bumbum durinho, decotes generosos e olhar atrevido. Uma verdadeira tentação ambulante.

Claro, eu era um homem comprometido e fiel, então nunca dei bola para as investidas da minha cunhada. Mas ela não desistia. Sempre que estava por perto, fazia questão de se exibir e me provocar com seus atributos físicos. Eu tentava ignorar, mas era difícil. Afinal, eu sou humano, né?

O testa da cunhada

Um belo dia, a cunhada me chamou para ir à casa delas ver os convites do meu casamento. Eu achei estranho, porque os convites estavam sendo feitos por uma empresa especializada, mas achei que talvez ela tivesse pegado algum modelo na internet e queria me mostrar. Enfim, fui.

Quando cheguei lá, ela estava com uma roupa que, digamos assim, deixava pouco para a imaginação. Ela me convidou para subir até o quarto dela para ver os convites, e eu aceitei. Quando estávamos subindo as escadas, ela se virou para mim e disse:

“Você sabe, eu sempre tive um desejo por você. Quero fazer amor com você antes que você se case.”

Eu quase engasguei com a própria língua. Fiquei sem palavras, sem ação, sem nada. Ela então disse:

“Vou para o meu quarto. Se você quiser, é só subir e me pegar.”

E então, para completar a cena, ela puxou a calcinha e jogou para mim, como se fosse um bumerangue sexual.

Eu sei, eu sei, eu deveria ter corrido para longe dali, alertado minha namorada, chamado a polícia, feito qualquer coisa. Mas, como eu disse, eu sou humano, né? Então fiquei ali, parado, olhando para a calcinha jogada na escada. Até que tomei coragem e fui embora.

O que eu não sabia é que tudo aquilo era um plano da família da minha namorada para testar minha fidelidade. Minha futura cunhada era, na verdade, uma atriz contratada para seduzir e testar a minha fidelidade. E, claro, eu falhei miseravelmente.

Quando descobri que tudo não passou de um teste, eu fiquei extremamente envergonhado e constrangido. Afinal, fui ludibriado e exposto diante de toda a família da minha noiva. Eu senti como se tivesse caído em uma pegadinha de mau gosto.

Mas, para ser justo, eu não podia culpar apenas a minha futura cunhada. Ela fez o seu papel de forma convincente, mas eu também fui um pouco ingênuo demais. Afinal, quem convida um futuro cunhado para ver convites de casamento a sós em seu quarto?

Eu deveria ter percebido que algo estava errado quando ela começou a se insinuar para mim. Mas eu estava tão obcecado por seu corpo perfeito que acabei ignorando todas as bandeiras vermelhas que surgiram. E, quando ela me jogou sua calcinha, eu simplesmente não soube o que fazer. Fiquei paralisado de choque e não consegui tomar nenhuma decisão sensata.

Quando finalmente saí da casa, senti-me aliviado por não ter cedido à tentação, mas ao mesmo tempo humilhado por ter sido tão facilmente enganado. Mas a reação do meu futuro sogro foi o pior. Ele parecia estar muito satisfeito com o resultado do teste, como se estivesse se divertindo com a situação.

Eu me perguntei se essa era a forma como a família da minha noiva tratava seus futuros membros. Era uma atitude bastante questionável, mas eu estava tão apaixonado por minha noiva que acabei relevando a situação e seguindo em frente.

Depois de alguns dias, tivemos uma conversa séria sobre o assunto. Eu disse a ela que me senti humilhado com o teste da cunhada e que isso não era uma forma justa de testar a fidelidade de alguém. Ela se desculpou e disse que seu pai tinha feito isso com todos os seus namorados anteriores, e que era uma tradição familiar.

Eu fiquei chocado ao descobrir que isso era uma coisa comum na família dela. Mas, ao mesmo tempo, senti um certo alívio por saber que não era apenas eu que havia passado por essa situação constrangedora. Minha noiva me assegurou que a partir daquele momento a família iria parar com essa tradição bizarra.

Felizmente, a partir daquele dia, não houve mais nenhum teste de fidelidade na minha relação com a família da minha noiva. Eu e ela nos casamos e vivemos felizes para sempre, ou pelo menos até que a minha sogra decidiu fazer um teste de cozinha e eu acabei com intoxicação alimentar. Mas isso é uma história para outro dia.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo